Com ação comprovada cientificamente a acupuntura é livre de riscos, contra indicações e efeitos colaterais. Além disso, sua utilização estende-se hoje em tratamentos estéticos, na redução de gordura localizada, celulite, estrias e marcas de expressão.

 

     Para a MTC consideram-se várias causas etiológicas, por exemplo:  seis fatores exógenos (climáticos), sete fatores endógenos (condições dos órgãos e vísceras e o componente emocional) e, ainda, fatores nem exógenos e nem endógenos que são os danos causados pela alimentação, fadiga, excessos, trauma, parasitas, epidemias, intoxicações, entre outros).

 

     A maior diferença entre a Acupuntura e a nossa medicina tradicional, talvez, seja o fato de ela não tratar a “doença” e sim “o doente”. Reequilibrando o indivíduo nos casos de enfermidades e permitindo, com seu uso periódico, prevenir o aparecimento de novas doenças; sejam elas físicas ou emocionais, como enxaqueca, depressão, fibromialgia, ansiedade, obesidade, estresse, insônia, hipertensão, doenças respiratórias, distúrbios gastrointestinais, neurológicos e psiquiátricos, auxilia no abandono de vícios entre outros.

 

     Ela estimula o organismo a produzir substâncias analgésicas e anti-inflamatórias de forma a reduzir e até mesmo eliminar a necessidade de medicamentos.

 

    Após todas essas comprovações a Acupuntura foi declarada oficialmente Patrimônio Mundial da Humanidade pela UNESCO, o que permite que ela tenha preservadas e valorizadas as suas técnicas.